Monday, March 03, 2014

PFW AW14/15 (1).



Tinha um post preparado sobre a colecção outono 2014 de Anthony Vaccarello, mas uma ida inesperada a Paris alterou-me os planos. Estive no exterior dos desfiles Balmain e Nina Ricci, na rue Lobau e nos jardins Tuilleries, respectivamente. Vi as editoras da Vogue Paris e uma super discreta Emmanuelle Alt, vi Carine Roitfeld e as italianas Anna dello Russo, Giovanna Bataglia e Franca Sozanni; vi a it girl russa Miroslava Duma, super petite, mas afável no trato, vi Barbara Martelo, Grace Coddington, a blogger Leandra Medine, a dupla Caroline e Daniel do Stockholm Street Style e claro um batalhão de modelos (Karlie, Constance, Anne, Joan e so on).

Em jeito de resumo, até porque hoje há Stella McCartney, Giambattista Valli e Saint Laurent, nesta primeira parte destaque para Anthony Vaccarrello, Dries van NotenBalenciaga e Balmain.


Enquanto explicava aos jornalistas presentes o conceito da colecção outono 2014 que apresentou no primeiro dia da semana de moda de Paris, Anthony Vaccarello referiu o nome de Tony Viramontes, ilustrador de moda dos anos 80, que creditou pela influência 80's e pelo uso do preto e do vermelho, e de Caroline de Maigret, amiga pessoal e musa, responsável pelos muitos bikers desfilados e pela atitude tomboy-ish. Vaccarello não fugiu à estética sexy que lhe é característica, mas notou-se uma maior preocupação em alargar a extensão da sua colecção e alcançar novos públicos. Refiro-me à aposta nos casacos e ao número surpreendente de propostas de calças. Encontram a colecção completa, aqui.



Não é a primeira vez que escrevo sobre Dries van Noten e antes do desfile que tomou lugar na última terça-feira reli um desses posts. Há uma série de temas transversais às colecções do designer belga: o uso inteligente dos estampados, a dicotomia masculino/feminino e uma certa itinerância. Yap, a mulher van Noten está sempre a ir/vir de algum lado e desta vez o destino parece ter sido Ibiza. As silhuetas foram tipicamente anos 30, um favorito de Dries, marcadas aqui e ali por apontamentos metalizados - sim, outro favorito - numa colecção que, apesar das referências a uma fórmula de sucesso, está longe de parecer mais do mesmo. Até 31 de Agosto, o Musée des Arts Decoratifs apresenta uma exposição retrospectiva do trabalho de Dries van Noten. Encontram a colecção completa, aqui.


É a terceira colecção de Alexander Wang para a casa Balenciaga e à terceira tentativa Wang mergulhou uma vez mais nos arquivos do mestre. Um mergulho particularmente bem sucedido quando conjugadas as formas cocoon com as sweats de malha desfiladas por Joan Smalls, Mariacarla Boscono e Gisele Bündchen. Os três primeiros looks - três casacos cocoon apetrechados com fechos eclair - pareciam promissores, todavia o efeito pragmático perdeu-se algures. Não há dúvida que esta é uma boa colecção de Wang, mas com o fantasma Ghesquière mais presente do que nunca - Nicholas Ghesquière apresenta a sua primeira colecção como director criativo da Louis Vuitton esta quarta-feira - pergunto-me se será suficiente. A colecção completa, aqui.


"I'm French, I'm black, and I'm proud to be at Balmain" disse Olivier Rousteing nos bastidores do desfile outono 2014 da power label francesa. Pelo meio, parece ter dito welcome to my jungle, uma boa descrição para a colecção que apresentou. Pensem num safari: calças cargo, parkas ao melhor estilo utilitário, verde khaki, animal prints ... Houve lugar para tudo isso, mas numa interpretação Balmain. Safari glam, if you ask me, muito rica nos tecidos e técnicas utilizadas por Rousteing. Acredito que tenha sido uma das melhores colecções Balmain dos últimos anos, sobretudo por representar um desvio à fórmula de sucesso da marca: vestidos mini excessivamente ornamentados. Encontram a colecção completa, aqui.

source

1 comment: