Friday, March 16, 2012

UMA ODE À MODA PORTUGUESA.

  
Há algum tempo - não muito distante - fazia parte do coro de vozes que se insurgia contra a existência de uma Moda nacional. Nesse tempo, não muito distante - volto a frisar - preocupava-me o conceptualismo que invadia as passerelles portuguesas e a falha naquela que deveria ser uma das funções primordiais de uma colecção: ser vestível. Perguntar-me-ão então "mas a Moda não é Arte?". Não sei. Sei que está para além da mera contemplação e que se reveste de pragmatismo e utilitarismo. Preocupavam-me, em igual medida, as referências constantes a conceitos e fórmulas já (re)visitadas por outros criadores. Um problema que não é só nosso, diga-se a bem da verdade. Vem-me à memória o exemplo do Brasil, país que se debate igualmente com a omnipresença desta questão na  sua moda de autor. 


Não estive presente nesta edição da MODALISBOA, por um conjunto de motivos que em nada interessam ao post, mas não deixei de acompanhar as colecções que por lá foram apresentadas. E as minhas suspeitas confirmaram-se. Pela primeira vez, acredito que existe futuro na Moda made in Portugal, muito por conta de uma geração de designers que lhe injectou sangue novo. São nomes como o da dupla White Tent ou de  Dourado - mas poderiam ser os de Andrez, Marques Almeida, V!tor e outros tantos - que estão por detrás do momento de graça que se vive. O desafio que se coloca a estes criadores/marcas é colossal e a tarefa de mudar mentalidades ingrata, mas é preciso acreditar no potencial comercial da moda portuguesa e, mais do que isso, derrubar a barreira mental de que "a Moda em Portugal não é para consumir".




E se é preciso fazer chegar a Moda portuguesa ao consumidor final, esta era aquela que me encheria as medidas. Na última edição, a colecção de Ricardo Dourado foi, straight away, a minha preferida. Os visors, aqueles visors perfeitos, não me saem da cabeça. Desta vez, não há colecção preferida, mas há uma série de looks que não poderia deixar de referir. 


Em Ricardo Dourado, fui particularmente seduzida pelas peças masculinas e pelos prints, que também apareceram nas colecções de Lidija Kolovrat, em camisas (masculinas), e em versão floral com Alexandra Moura. Tenho mixed feelings pelo calçado escolhido por Dourado, uma espécie de Spice Girls meets cyborg, mas coerentes com a inspiração street. Foi com um pé no sportswear, a sua marca registada, que a dupla White Tent apresentou a perfeita continuação da colecção Primavera 2012. Peças fáceis, com um ou outro toque metalizado, que atingiram a perfeição quando Milena Cardoso pisou a passerelleRicardo Preto explorou a alfaiataria e o menswear - eu não consigo deixar de olhar para estes dois coordenados, sem pensar em Peter Som - e Luís Buchinho perdeu-se pela calçada portuguesa, numa colecção que vale sobretudo pelos ângulos e linhas depuradas e não tanto pelos estampados literais. Por último, o luto de Filipe Faísca, com alguns pormenores kitch - basta olhar para os pés e para os lenços que as modelos envergavam - mas com uma carga dramática visível no corte irrepreensível das peças. 


photos // Associação ModaLisboa


14 comments:

  1. Gosto de todos aqui também, mas confesso que os meus favoritos são os de Luís Buchinho e Alexandra Moura.
    Acho que a semana da Moda, embora em crise teve óptimos looks.
    Beijinho

    ReplyDelete
  2. Ainda não percebi, sinceramente, porque é que ainda não estás a escrever para uma revista de moda. És boa demais só pode! Adorei a analise e concordo em cada ponto!

    Beijinho

    ReplyDelete
    Replies
    1. Oh Silvana, se esse for o motivo para não estar em nenhuma, pelo menos é um grande motivo! O teu colete Ricardo Dourado... TOP!

      Delete
  3. Concordo com tudo o que disseste
    De facto nesta edição notou-se um claro avanço em relação às outras, e sim, muito devido a estas novas colecções bem mais usáveis que as anteriores! Desta vez o meu designer preferido foi sem dúvida Pedro Pedro, embora reconheça que no geral estiverem todos lindamente!
    Gostei imenso da selecção que fizeste aqui.

    Kiss kiss.*Jo
    http://joandcompanystyle.blogspot.com/

    ReplyDelete
  4. foi o primeiro post que li sobre a moda lisboa - também não estive lá - que me encheu mesmo as medidas! concordei em tudo e estou com a silvana. não compreendo!

    ReplyDelete
  5. Até que enfim um bom post sobre a moda lisboa! :)
    A minha colecção preferida foi sem duvida do Ricardo Dourado, adorei a inspiração e a forma como ele conseguiu transpor para as peças, ele realmente tem um universo muito pessoal e que se identifica muito comigo.

    ReplyDelete
    Replies
    1. Muito obrigada, Bruna! O Ricardo Dourado tem, realmente, o dom de fazer colecções que emanam coolness e uma vibe street.

      E como hoje é o teu aniversário: PARABÉNS (de novo)!

      Delete
  6. Olá Cátia! Que artigo (sim, isto podia ser um artigo e não um mero post!) fantástico! Concordo com a tua posição, eu própria senti que, pela primeira vez, a moda portuguesa tinha qualidade para vender. Nunca antes tinha pensado assim.. e sempre me senti um pouco culpada pelo meu desinteresse pela moda nacional.. agora espero a próxima edição com algum entusiasmo, o que é mais positivo!

    beijinhos xx

    ReplyDelete
    Replies
    1. Cati, muito muito obrigada pelo elogio inicial. Felizmente, somos muitos a partilhar esta opinião, o que só por si já é um óptimo indicador para o futuro. Tal como tu, também eu agora consigo estar expectante por determinado desfile (coisa que antes era totalmente impensável para mim).

      Delete
  7. um artigo de topo e dos melhores que li neste moda lisboa!! =) parabéns pela qualidade!!

    ReplyDelete
    Replies
    1. Maria, MUITO OBRIGADA pelo comentário! :)

      Delete
  8. Para mim, Buchinho e Pedro Pedro. Agora sim, finalmente temos algo em que ter expectativas.
    E ainda bem que temos estes teus artigos para ler, é sempre um gosto Cátia!

    ReplyDelete