Monday, July 04, 2011

THE PHILO EFFECT


Phoebe Philo, 38, britânica nascida em Paris, o epicentro do mundo da Moda, cursou design de Moda na Central de Saint Martins, como tantos outros designers da sua geração. Foi ao lado de Stella McCartney que começou por dar os primeiros passos, então na Chloé, e foi a ela que sucedeu no comando da maison francesa, em 2001. 

Philo colocou fim aos prints de ananás - o amor da filha de sir Paul McCartney pela fruta não é de hoje - e cavalos de Stella  e desenvolveu a estética da mulher dos dias de hoje, cool and relaxed but yet sofisticated. Graças ao contributo de Phoebe, a Chloé voltou a tornar-se uma mega brand internacional, o que atraiu  a atenção dos administradores do grupo LVMH, sedentos de recuperar uma Céline sem identidade. Repito, sem identidade. Há uma diferença abismal entre a Céline de Philo e a Céline de Michael Kors.

Logo na apresentação da primeira colecção para a marca francesa, Phoebe Philo mostrou de que seria feita a sua Céline. Linhas e cortes precisos, numa interpretação luxuosa do sportswear, dotaram a Céline de um utilitarismo clássico e sofisticado. E as calças... Podemos falar das calças? Ortega bem tenta copiar - oops - mas a versão da nossa Zara não se assemelha sequer. 

No Inverno seguinte, Phoebe Philo manteve a sobriedade do esquema cromático e o trabalho com a pele. Sim, Philo é vegetariana, mas ao contrário de Stella, não se inibe de usar pele - não confundir com fur - nas suas criações. Mas não só de pele se fez um desfile em que os casacos em lã - outro dos meus favoritos nas colecções da designer britânica - tiveram um lugar de destaque. 

Quando o próprio Kanye West usa uma peça desta colecção, isso deve querer dizer algo right? De facto, é impossível negar o hype em torno da Céline, the coolest brand on Earth. Esta é, sem dúvida, a minha colecção preferida de Phoebe Philo para a maison francesa e se fosse preciso apontar uma razão - que não aquela que está diante dos nossos olhos - diria que é pela facilidade das roupas. Umas calças baggy com um corte de excelência, uma camisa branca ou uma blusa, para mim it feels like heaven. Oh, e quase me esquecia, Phoebe voltou à ganga, uma das suas imagens de marca na Chloé. 

E para a colecção Fall 2011, Phoebe Philo, quiçá inspirada pelos seventies, introduziu alguns apontamentos de cor e o uniforme Céline - sim, o uniforme - sofreu algumas alterações. As calças tornaram-se afuniladas, uma turtle neck tornou-se a peça it - infelizmente, tenho uma certa dificuldade em usar golas altas - sendo usada a solo ou com uma sweatshirt on top. 

A Céline de Phoebe Philo abandonou o lugar secundário que detinha e compete, lado a lado, com as principais marcas de luxo. Luxo é aliás a palavra de ordem da nova Céline. Um luxo de aparência fácil, utilitário e cool, porque é esse o espírito da sua head designer.

---

Mil desculpas pela falta de posts, mas sometimes I don't feel like blogging e, verdade seja dita, tenho parado pouco tempo em casa. Entre amanhã e quarta, sai o post sobre o Touche Éclat.

Uma nota sobre o casamento real que teve lugar este fim-de-semana... Sempre fui obcecada com a família real do Mónaco, not so much com o príncipe Alberto, por razões óbvias. Mas, independentemente da tristeza da noiva, Charlene estava linda! LINDA! Não sou grande fã de Giorgio Armani - acho aquele esquema de desfile que o designer italiano repete toda a santa estação uma pirosada, típica dos nineties, mas sem a verdadeiras supermodelos - mas hands down, aquilo está muito próximo do que me atrai num vestido de noiva. Linhas simples, de uma elegância suprema, ao qual apenas retirava os bordados.

That being said, a Kate Middleton foi uma noiva feliz, mas o vestido era demasiado Cinderella para o meu gosto. Diz-se que é uma reinterpretação do vestido de Grace Kelly, mas eu apostava que se Grace se casasse agora, fá-lo-ia com um vestido ao estilo da Charlene, esse sim um verdadeiro compromisso entre a tradição e a modernidade.

Toughts?

5 comments:

  1. Agora percebo a minha atraccao por algumas pecas de Ortega, agora percebo de onde vem a inspiracao para aquela peça (http://www.zara.com/webapp/wcs/stores/servlet/product/fr/en/zara-S2011-s/102009/197775/STUDIO%2BTOP) que nao consigo despir e que todos baralhados com a sua simplicidade me perguntam: onde esta o zipper do casaco! ;) Adoro estes teus post!!!

    ReplyDelete
  2. Mais uma vez me rendo á tua escrita! Excelente! Adoro a Phoebe Phlio e confesso que também comprei as "inspirações" Celine da Zara ;)

    bjs

    ReplyDelete
  3. Mais uma vez adorei o post, aprende-se sempre muito com o que escreves. Quanto ao casamento real, achei a Charlene linda, mas não consegui abstrair-me da tristeza dela. Eu gostei do vestido, inclusive dos bordados. bj:)

    ReplyDelete
  4. Adorei todas as peças Céline!! e depois de teres falado sobre isso fez-se luz na minha cabeça. de facto, a maioria das peças é prática :-) o que para mim é essencial. Confesso que não estive muit ligada ao casamento real e apenas vi a cara da noiva uns breves 3 segundos :-) bjo**

    http://makeupblah.blogspot.com/

    ReplyDelete
  5. Ela é genial!! :)

    Adorei o post ;)

    Beijinho,
    sara

    ReplyDelete